Escola Superior de Educação Politécnico de Coimbra
ESEC Politécnico de Coimbra
A ESEC
Estudar
Investigar / Transferir
Menu secundário
Imagem

Inspiring Alumni - Ana Baptista (Comunicação e Design Multimédia)

Quinta, 1 Março, 2018

"...somos nós próprios os principais responsáveis pelo nosso futuro".

Ana  Baptista é Licenciada em Comunicação e Design Multimédia pela Escola Superior de Educação de Coimbra. Mestrado em Design Gráfico, por concluir, na ARCA-EUAC Escola Universitária das Artes de Coimbra. Diretora do Departamento de Design da empresa têxtil Baptista e Soares, SA.

No Departamento de Design da empresa textil Baptista e Soares, SA. é responsável pela equipa de designers que acompanha todas as etapas do processo para forncer aos seus clientes o produto acabado, desde o design, conceção do protótipo, até à produção de centenas ou milhares de unidades de uma peça de vestuário. Para Ana Baptista é “aliciante e gratificante o facto de um produto ou estampado por nós desenvolvido ser vendido em cadeias de lojas um pouco por todo o mundo”.

Após a conclusão do curso quais foram as atividades profissionais exercidas?

Durante um curto período de tempo, trabalhei num estúdio de Design em Coimbra, imediatamente após a conclusão da minha licenciatura. Parecia-me, na altura, um pouco difícil conciliar o meu trabalho com o Mestrado que iniciava, sobretudo para atingir os objetivos a que eu própria me propunha, em ambas as áreas, - daí esta colaboração ter sido tão ténue e eu ter optado por continuar a minha carreira académica o melhor que consegui. Em 2012 inicio a minha atividade profissional na Baptista e Soares, SA.

 

 

 

O Curso de Comunicação e Design Multimédia da ESEC correspondeu às suas expectativas?

Sim, de diversas maneiras. O meu percurso académico nem sempre foi muito linear. Quando me inscrevi em Comunicação e Design Multimédia, pensei que o curso me poderia oferecer os princípios basilares do design para o nosso tempo. Pensei que, mais do que o design para suportes impressos, poderia oferecer-me uma perspetiva muito mais abrangente de design para outros suportes, como o cinema e a televisão, que também me interessavam muito. Pensei que era o momento certo de experimentar outras abordagens que me ajudariam a definir o meu percurso profissional e a enriquecer-me enquanto pessoa e, obviamente, enquanto designer. Creio que é uma experiência muito enriquecedora, muito prazerosa até, podermos numa idade tão jovem termos tanto à disposição. Apesar de estarmos inseridos numa Escola, numa turma, o curso de Comunicação e Design Multimédia oferece aos seus alunos, antes de mais, um espaço de exploração individual. Os docentes  fornecem-nos as bases e as ferramentas necessárias para o estudo de determinado assunto, mas os alunos têm um espaço inequívoco de aprendizagem livre e individual, cujos limites são impostos apenas por eles próprios. E é isso que nos faz ir mais longe e sermos cada vez designers mais competentes nas nossas áreas de maior interesse. Nunca temos todo o conhecimento sobre todos os assuntos, temos sim um conhecimento do método. No meu caso, sempre tive um interesse particular por moda, uma “coisa” quase transgeracional. No entanto, nunca tinha desenhado um estampado até ter iniciado a minha colaboração com a Baptista e Soares.

 

Quais considera serem os pontos fortes do curso?

Uma formação basilar pluridisciplinar, adequada às exigências do nosso tempo. Acredito que a maioria dos estudantes de hoje vão encontrar um emprego muito exigente, muito rápido, em constante mutação e em que os desafios são também constantes. Não vão saber tudo, mas vão saber como procurar, como aprender, muito rápido. Acima de tudo, somos nós próprios os principais responsáveis pelo nosso futuro.

 

Quais as melhores recordações que guarda da ESEC?

São tantas! É difícil distinguir o que pertence à ESEC e o que pertence a Coimbra e aos amigos que se levam. Da ESEC, recordo a alegria das festas nos claustros, com a tuna a tocar, as noites passadas em casa a “trabalhar” para os vídeos de animação que eram, elas próprias, uma animação… As “máscaras” dos trabalhos de fotografia, que nos levavam, tantas vezes, a explorar o “desconfortável”.  O sentimento tão adulto da primeira vez que vesti o traje académico. Misturando um pouco as histórias, guardo com imenso carinho todas as “Noites Longas”, todos os serões passados com os colegas de casa, todas as descobertas, todas as idas ao “Moelas”, todos os jantares de casa e os jantares de curso, todas as tardes de sol passadas no “Tropical”, todas as idas ao TAGV, todas as idas ao Salão Brazil, todos os passeios na baixa, todos os passeios na alta, todos os cafés no “Justiça e Paz”, todas as noites da “Queima das Fitas”, todos os “Centenários”. É um tempo muito feliz que fica “congelado” para sempre na memória de quem o vive.

Que sugestões gostaria de dar para melhorar a ESEC?

Penso que essas melhorias passariam sobretudo por um maior investimento no material que é disponibilizado aos alunos, nomeadamente câmaras fotográficas, gravadores. Mas entendo perfeitamente que esses constrangimentos ao nível do material disponibilizado não sejam tão fáceis de ultrapassar. No curso, parecia-me relevante uma maior abordagem teórica, sobretudo nas aulas de design gráfico e tipografia, o que implicaria, suponho, uma carga horária superior.

‹ Voltar